Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Abertura da Copa de 2014 mergulhou Corinthians em dívida – 12/06/2024 – Esporte


Quando Andrés Sanchez, em seu primeiro mandato como presidente do Corinthians, anunciou no dia 1º de setembro de 2010 a construção do estádio do clube, afirmou que a obra custaria R$ 335 milhões.

No ano seguinte, a arena em Itaquera, na zona leste de São Paulo, foi anunciada como local da abertura da Copa do Mundo de 2014, disputada há exatos 10 anos, quando o Brasil venceu a Croácia, por 3 a 1.

Na inauguração do campeonato, o preço final da obra havia saltado para R$ 985 milhões (R$ 1,9 bilhão em valores corrigidos), bem acima do custo original, que corrigido para 2024 seria de R$ 875 milhões.

Parte desse aumento é atribuída às estruturas provisórias que o estádio teve durante o Mundial, com duas arquibancadas provisórias atrás dos gols, que aumentavam a capacidade de 48 mil para 64 mil lugares. A equipe alvinegra, contudo, não chegou a fazer nenhuma partida no local antes da retirada das estruturas.

Durante anos, o cálculo exato da dívida pela nova casa alvinegra foi motivo de disputas internas no Parque São Jorge. Conselheiros de oposição criticavam, sobretudo, a falta de transparência da diretoria.

Em 2019, uma comissão instaurada pelo Conselho Deliberativo apontou que o clube devia R$ 1,03 bilhão à Odebrecht, construtora responsável pela obra, fora o financiamento com a Caixa Econômica Federal.

O valor era questionado por Andrés, sob o argumento de que partes da obra prevista no orçamento não haviam sido concluídas. Além disso, o clube afirmava ter repassado cerca de R$ 380 milhões à Odebrecht por meio de CIDs (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento). Em setembro daquele ano, a empresa e o clube anunciaram um acordo pelo fim da dívida. O Corinthians teria concordado em pagar R$ 160 milhões para zerar a questão.

O projeto original do estádio era de autofinanciamento. A Odebrecht pagaria pela obra com seus recursos e depois recuperaria o dinheiro com receitas geradas pela arena. Seria formada uma SPE (Sociedade de Propósito Específico), figura jurídica comum em incorporações imobiliárias em que uma parte entra com o terreno (o Corinthians) e outra com a obra.

A estrutura financeira para a execução do projeto consistiria no empréstimo repassado pela Caixa no valor de R$ 400 milhões, além dos CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento), cedidos pela prefeitura, estimados na época em R$ 420 milhões.

Também estavam previstas “receitas provenientes da exploração comercial da arena”, conforme descrevia a ata de uma das reuniões da comissão. A principal fonte seria a venda dos “naming rights”, estimados pelo clube em R$ 450 milhões —cifra que a comissão chamou de “superestimada”.

Quase sete anos após a inauguração do estádio, em 2020, o clube vendeu o nome da arena para a Hypera Pharma por R$ 300 milhões, em um contrato de dez anos que batizou o local com Neo Química Arena. A demora para comercializar a propriedade é apontada como um dos motivos que inflacionaram a dívida com a Caixa.

Uma década após o estádio ter sido palco da abertura da Copa do Mundo, apesar do pagamento de parcelas ao longo dos anos, a dívida com o banco estatal não caiu como o clube projetava devido a juros, correções e encargos, provocados por atrasos na quitação do financiamento.

De acordo com o relatório da consultoria EY divulgado no final de maio, sobre receitas, custos e despesas de 28 times das Séries A e B do Campeonato Brasileiro, o clube ainda deve R$ 703 milhões à Caixa.

A dívida é reajustada pelo CDI (Certificado de Depósito Interbancário, que acompanha a taxa Selic) mais 2% ao ano.

Em 19 de novembro de 2023, a menos de uma semana da última eleição no Parque São Jorge, a diretoria, então sob comando de Duilio Monteiro Alves, chegou a anunciar um novo acordo com a Caixa.

A proposta previa a quitação total do débito com o saldo restante do contrato de “naming rights” somado a uma carteira de precatórios —títulos de admissões de dívidas do governo (estadual, municipal ou federal) com pessoas ou empresas, mas sem um prazo de pagamento.

O anúncio foi criticado pela oposição, encabeçada à época por Augusto Melo, por ocorrer na reta final do processo eleitoral do Corinthians e ainda depender da aprovação de órgãos públicos —aprovação que acabou não ocorrendo depois.

No pleito, Melo derrotou o candidato da situação, André Luiz Oliveira, o André Negão.

O atual presidente do Corinthians considera que a dívida é um entrave para sanar a saúde financeira do clube. “Nós precisamos ficar livres disso, porque com isso nós não temos várias receitas da arena. Então, precisamos quitar essa dívida”, disse ele em recente entrevista à Band.

No orçamento deste ano, o Corinthians prevê passar R$ 80 milhões à Caixa, em quatro parcelas. O valor do pagamento é arrecado, sobretudo, com a bilheteria dos jogos. Desde sua inauguração, o estádio é motivo de orgulho para os corintianos e foi usado pelo clube nas campanhas de cinco títulos: do Brasileiros (2015 e 2017) e três Paulistas (2017, 2018 e 2019).

O clube estima que já tenha pagado R$ 265 milhões ao banco estatal. Desde 2023, o Corinthians paga apenas os juros do financiamento. O valor principal começará a ser quitado a partir de 2025. A equipe do Parque São Jorge tem até 2041 para quitar o débito.

Ao somar o débito com as demais dívidas do Corinthians, a consultoria aponta um valor de R$ 1,58 bilhão, montante que, de acordo com a empresa, faz do clube o mais endividado do país.

Linha do tempo

Janeiro de 2009

São Paulo apresenta à Fifa (Federação Internacional de Futebol) um projeto para reformar o Morumbi. Clube se dispõe a atender todas as exigências da entidade para receber a Copa do Mundo de 2014.

Junho de 2010

Comitê Organizador Local da Copa anuncia que o São Paulo não apresentou as garantias financeiras referentes ao projeto de modernização do estádio. Morumbi acaba descartado pela Fifa.

Agosto de 2010

Corinthians apresenta à Fifa o projeto de um estádio para 48 mil pessoas, em parceria com a Odebrecht, com capacidade para receber a abertura da Copa do Mundo. Clube recebe apoio da CBF e do governo do estado de São Paulo para abrigar os jogos do Mundial.

Outubro de 2010

Fifa aprova o projeto do Corinthians, mas admite preocupações com estruturas temporárias e se nega a ajudar financeiramente.

Setembro de 2011

Corinthians assina contrato para a construção do estádio, com a presença de Luiz Inácio Lula da Silva, à época já como ex-presidente da República. Político assina o contrato como testemunha.

Outubro de 2011

Fifa anuncia que o estádio do Corinthians será o palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

Maio de 2014

Arena do Corinthians é inaugurada com derrota do time alvinegro para o Figueirense pelo Campeonato Brasileiro.

Junho de 2014

Seleção brasileira vence a Croácia por 3 a 1 na abertura da Copa do Mundo de 2014, no estádio do Corinthians.

Maio de 2016

“Se não fosse para a Copa do Mundo, teria sido muito mais simples, e teria tido muito menos custo para o Corinthians. Mas o Corinthians atendeu um pedido da prefeitura e do governo do estado. Uma exigência, aliás”, diz Andrés Sanchez, em entrevista ao UOL.



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

© 2024 Criado em 2004