Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Brasil celebra 30 anos de título mundial de basquete – 11/06/2024 – Esporte


“Dei assistência para a Paula e desperdicei uma da Helen”, disse animadamente Olga Bagatini, 30, enquanto deixava a quadra de basquete no último domingo (9). “Deu saudade.”

A jogadora amadora participou de um dos eventos comemorativos dos 30 anos da grande conquista feminina do Brasil na modalidade, o triunfo da seleção na Copa do Mundo. Em 12 de junho de 1994, em Sydney, o time verde-amarelo, dirigido pelo então desconhecido Miguel Ângelo da Luz, 35, derrotou a China por 96 a 87 e levantou o troféu.

Olga, portanto, tem saudade de um tempo em que era bem novinha. Tinha um mês e cinco dias quando Hortência, Paula e Janeth, com notável contribuição de jovens como Leila e Alessandra, alcançaram o que parecia improvável. Mas o dia é mesmo memorável para os fãs brasileiros do basquetebol, até mesmo para quem não acompanhou a façanha ao vivo.

“Éramos o pato feio do campeonato. Chegamos sem cobrança, sem pressão. Jogamos com humildade”, disse Hortência à Folha, logo após a vitória. “Fomos atrás de algo que talvez ninguém achasse que fosse possível. O mundo do basquete, até pela retrospectiva dos quatro anos anteriores, jamais imaginava que a gente seria campeã”, repetiu Paula ao jornal, três décadas depois.

Uma bolsa de apostas da Austrália, que era a sede da competição, apontava o Brasil como a 11ª equipe com mais chances de título entre as 16 na disputa. As craques Hortência, 35, e Paula, 32, haviam anunciado que o torneio seria seu último pela formação nacional. Eram da mesma faixa etária do técnico, um desconhecido até para as próprias jogadoras.

“No início, a gente achava um desrespeito com quem fazia basquete feminino trazer um cara do Rio de Janeiro que tinha experiência só no masculino, no juvenil”, recordou Paula. “Quando saiu a convocação, tinha um nome ali que a gente não sabia quem era. Começamos a ligar umas para as outras: ‘Quem é?’. A gente ficou apreensiva”, afirmou Hortência.

“Não é que eu era pouco conhecido. Eu era totalmente desconhecido”, divertiu-se o treinador, que superou a desconfiança dando espaço às atletas nas tomadas de decisão. “Eu sempre fui aberto aos diálogos, às vezes era até incompreendido pelas pessoas por isso, mas sempre trabalhei assim, fazia o jogador ser meu cúmplice. Eu não impunha nada. Lógico que a palavra final era minha, mas eu ouvia.”

Isso ficou evidente no duelo semifinal com os Estados Unidos –time que, superado por 110 a 107, só voltaria a perder um jogo 12 anos depois. Leila, que vinha bem, sentiu dor forte no pé e seria substituída a um minuto e meio do fim. Hortência berrou com Miguel, cancelou a troca e disse a Leila: “Amanhã você pensa na dor”.

“Eu vi que, depois do pedido de tempo, a Leila ficou no banco e falei: ‘O que acontece?’. ‘Ela está com dor.’ ‘Dor nada, bota ela de volta’”, recordou a ala-armadora. “Pensei: ‘Pô, não vou perder a chance de ir a uma final’. Mas aí você vê o respeito que você e o treinador têm. A gente criou uma intimidade para isso. Existia cumplicidade, entendimento. Não só comigo. Com a Janeth, a Paula… Ele reconhecia nossa experiência, não estava lá para falar: ‘Eu que fiz’.”

“Sempre houve muito diálogo”, lembrou Paula. “Não era aquela liderança do distanciamento, da falta de segurança, do ‘não posso falar com as jogadoras’. Talvez ele não tivesse a experiência e a competência de outros que foram treinadores da seleção, mas houve essa parte motivacional e de diálogo.”

Com diálogo, um tanto acalorado, é verdade, Leila superou a dor, terminou a partida contra as norte-americanas, recebeu o devido tratamento médico e teve participação decisiva na final contra as chinesas. “Ela parecia um gato”, afirmou Janeth, recordando a agilidade da ala, que interceptou passes, atirou-se na direção de bolas divididas e tornou muito mais difícil a vida da pivô Zheng Haixia, de 2,04 m.

“Eu estava ali para colaborar e fazer a minha parte. Cair de cabeça na bola era o que eu mais fazia”, disse a hoje ex-jogadora de 49 anos, parte do clã Sobral, com outros nomes relevantes do basquete brasileiro, como a irmã Marta. Três décadas depois, ainda ecoa a voz de Hortência em seu ouvido. “Ela me deu um esporro, né? Chego a me arrepiar de falar”, disse Leila.

Da mescla de jovens como ela, que tinha 19 anos, Cíntia, 19, Alessandra, 20, Helen, 21, e Roseli, 22, com a experiência das realmente impressionantes Paula e Hortência, brotou uma equipe especial. A veloz e talentosa Janeth, 25, era uma espécie de elo entre as gerações, além de parte fundamental nos letais contra-ataques brasileiros –ela entrou, com Hortência, na seleção do campeonato; Paula, injustamente, ficou fora.

“Foi muito bacana esse encontro de praticamente três gerações. Cada uma sabia muito bem qual era sua função. Quando um time ganha e você fala que estava unido, parece um clichê, mas realmente houve uma sintonia grande, uma harmonia enorme. As mais novas, por essa falta de idade, tinham menos pressão, não pensavam: ‘Ai, meu Deus, vamos enfrentar os Estados Unidos’. A gente até brinca que a Alessandra falava: ‘Quem é essa Lisa Leslie?’”, gargalhou Paula, referindo-se à craque norte-americana.

A campanha teve duas derrotas: para a Eslováquia, na primeira fase, e para a China, na segunda. Era obrigatória uma vitória sobre a Espanha para a classificação às semifinais, uma virada dramática com seis lances livres precisos de Janeth, em sequência, nos 20 segundos derradeiros. Contra os Estados Unidos, que pareciam pouco preocupados com o “pato feio”, Hortência, com 32 pontos, e Paula, com 29, foram determinantes.

Na revanche contra a China, no Sydney Entertainment Centre, a grande preocupação era conter Haixia. Uma força-tarefa que tinha Alessandra, Ruth e Cíntia –com uma frequente dobra na marcação, geralmente executada por alguém mais ágil, como Leila– procurava frustrar a grandalhona, que conseguiu seus 27 pontos, mas levou múltiplos tocos e viu vários dos passes que lhes eram direcionados virarem roubadas de bola.

“A gente não tinha muito acesso a vídeos, como acontece hoje. A gente reviu o primeiro jogo contra elas e conseguiu neutralizá-las. As meninas foram superdisciplinadas, ora marcando pela frente, ora por trás, ora dobrando. Tudo o que foi planejado acabou dando certo”, sorriu Miguel Ângelo da Luz.

“Foi até importante a derrota para a China, porque a gente ganhou experiência. Não era o jogo da morte ainda. Mas equipe teve sabedoria, inteligência e humildade para entender o que estava errado e corrigir na final. Foi um jogo duro, a escola asiática é uma que a gente não gosta de enfrentar, mas deu tudo certo”, disse Hortência.

Sua memória é mais viva do que a de Olga a respeito daquele 12 de junho de 1994, porém o sentimento é semelhante.

“Deu saudade.”



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

© 2024 Criado em 2004