Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Com território em guerra, Palestina sonha com Copa de 2026 – 07/06/2024 – O Mundo É uma Bola


Em busca há décadas do reconhecimento mundial de seu Estado, e com seu território enfrentando faz oito meses uma guerra (Israel x Hamas), a Palestina mantém vivo o sonho de disputar pela primeira vez uma Copa do Mundo.

Nesta quinta-feira (6), com um empate sem gols contra o Líbano, a seleção palestina assegurou, com uma rodada de antecedência, a classificação para a terceira fase das Eliminatórias da Ásia para o Mundial de 2026.

O jogo aconteceu em Doha, no Qatar, já que os palestinos estão impossibilitados de atuarem em seu estádio, o Faisal Al-Husseini, em Al-Ram, cidade próxima a Jerusalém.

Com o resultado, a Palestina terminará em segundo lugar em seu grupo, atrás da Austrália (que mesmo estando geograficamente localizada na Oceania disputa o qualificatório da Ásia), e será uma das 18 seleções que tentarão, a partir de setembro, uma das oito vagas continentais diretas para a Copa.

Uma nona seleção ainda terá chance de se classificar em uma repescagem contra um país de outra confederação.

A Copa do Mundo de 2026, sediada pelo trio EUA, México e Canadá, será a primeira com 48 participantes –16 a mais que os 32 que estiveram no Qatar em 2022.

“Com tudo o que está acontecendo na Palestina agora [a guerra já deixou mais de 35 mil mortos], a qualificação para a Copa do Mundo seria uma grande conquista para os jogadores e para o país como um todo”, declarou, em entrevista à Fifa, o meia Mohammed Rashid, 29.

“Seria a melhor coisa que poderia acontecer ao nosso país em termos da nossa posição no cenário internacional”, acrescentou o jogador do Bali United, da Indonésia.

Em constante conflito por terras com Israel desde 1948, quando da criação do Estado judeu e o início de um período de várias guerras, a Palestina, com população majoritariamente muçulmana, é reconhecida como país por 144 dos 193 membros da ONU (Organização das Nações Unidas), incluindo o Brasil.

No futebol, a filiação da Associação de Futebol da Palestina à Fifa data de 1998. O melhor resultado internacional da seleção foi atingir as oitavas de final da Copa da Ásia, no começo deste ano, sendo eliminada pelo anfitrião Qatar em jogo de placar apertado (2 a 1).

Atualmente, a Palestina ocupa o 93º lugar do ranking da Fifa, que tem 211 nações, é liderado pela Argentina e no qual o Brasil está em quinto. Situa-se à frente de países que já disputaram Copa do Mundo, como Angola, Cuba, Coreia do Norte, Kuait, Togo e Trinidad e Tobago.

Seu melhor jogador é o atacante e artilheiro Oday Dabagh (18 gols em 34 partidas pela seleção), um dos dois únicos do time que atuam no futebol europeu. Tem 25 anos e defende o Charleroi, da Bélgica. O outro é o também atacante Omar Farj, 22, do AIK, da Suécia.

O treinador da Palestina é o tunisiano Makram Daboub, 51, que assumiu o comando em abril de 2021 depois de mais de uma década como assistente técnico.

Em 27 partidas, entre jogos por competição e amistosos, a equipe ganhou 11, empatou 6 e perdeu 10.

Nestas Eliminatórias, derrotou duas vezes Bangladesh (5 a 0 e 1 a 0), empatou duas vezes sem gols com o Líbano e perdeu da Austrália por um magro 1 a 0 –jogará, sem necessidade de obter pontos, com os australianos, em Perth, na terça-feira (11).

A distância de casa, de amigos, de parentes, de conhecidos, é sentida pelos jogadores palestinos, reunidos longe da terra que amam.

Porém a missão de elevar a Palestina, via futebol, a uma posição de respeito e legitimidade prevalece no grupo, conforme disse à ESPN o zagueiro Mousa Farawi, 26, que joga no National Bank, do Egito.

“Cada um de nós representa alguma coisa. A responsabilidade vem de um grande sofrimento que temos. Neste momento, paramos de jogar para nós mesmos e estamos jogando para o povo. Cada jogador representa a Palestina e os sofrimentos da Palestina.”



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

About

Appetite no humoured returned informed. Possession so comparison inquietude he he conviction no decisively.

Recent Post

  • All Post
  • Arte e Lazer
  • Cultura
  • Destaque
  • Educação
  • Esportes
  • Futebol
  • Novidades
  • Sem categoria
  • Social Media
  • Sports
  • Videos

© 2024 Criado em 2004