Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Eleitores da França votam em eleição que pode colocar extrema direita no governo


Eleitores da França vão às urnas neste domingo (29) no primeiro turno das eleições parlamentares antecipadas. A votação poderá derrubar a aliança centrista do presidente Emmanuel Macron e deixá-lo ver os restantes três anos do seu mandato presidencial em uma estranha parceria com a extrema direita.

A votação começa às 8h (3h de Brasília) e encerram no mesmo dia às 20h (15h de Brasília). No sábado, eleitores dos territórios franceses votaram.

O processo de dois turnos, com o próximo marcado para 7 de julho, terminará com a eleição dos 577 membros da Assembleia Nacional. A eleição acontece de forma distrital.

O pleito foi convocado três anos antes do necessário e três semanas depois de o partido Renascença de Macron ter sido derrotado pelo Reunião Nacionall (RN), de extrema direita, o partido de Marine Le Pen, nas eleições para o Parlamento Europeu no início deste mês.

Minutos depois da derrota humilhante, Macron disse que não podia ignorar a mensagem enviada pelos eleitores e tomou a decisão “séria e pesada” de convocar eleições antecipadas – as primeiras em França desde 1997.

Possível governo de “coabitação”

Qualquer que seja o resultado, Macron se comprometeu a permanecer no cargo até às próximas eleições presidenciais em França, em 2027.

A Assembleia Nacional é responsável pela aprovação de leis internas – desde pensões, impostos, imigração e educação – enquanto o presidente determina a política externa, europeia e de defesa do país.

Quando o presidente e a maioria no parlamento pertencem ao mesmo partido, as coisas funcionam bem. Caso contrário, o governo poderá parar – uma perspectiva que poderá assombrar Paris enquanto se prepara para acolher os Jogos Olímpicos no próximo mês.

Mais recentemente, a França teve um governo deste tipo – conhecido como “coabitação” – quando o presidente de direita, Jaques Chirac, convocou eleições antecipadas e foi forçado a nomear um socialista, Lionel Jospin, como primeiro-ministro, que permaneceu no cargo durante cinco anos.

Eleição de dois turnos

O primeiro turno de votação elimina os candidatos mais fracos antes do segundo turno, no próximo domingo (7). Somente aqueles que obtiverem mais de 12,5% dos votos dos eleitores registrados poderão concorrer ao segundo turno.

Frequentemente, isso é travado entre dois candidatos, mas às vezes três ou quatro. Alguns candidatos optam por desistir nesta fase para dar aos aliados uma melhor chance de vitória.

A maioria dos eleitores escolherá um dos três blocos: a aliança de extrema direita liderada pelo RN; a Nova Frente Popular (NFP), uma coligação de esquerda recentemente formada; e o conjunto centrista de Macron.

Jordan Bardella é afilhado político de Marine Le Pen, líder da extrema direita da França / Chesnot/Getty Images

O bloco RN é liderado por Jordan Bardella, o líder do partido de 28 anos escolhido a dedo por Le Pen, que se esforçou para polir a imagem de um partido historicamente dominado pelo racismo e antissemitismo que proliferou sob a liderança de décadas de seu pai, Jean-Marie Le Pen.

Até recentemente, a perspectiva de um governo de extrema direita era impensável. No passado, os partidos da oposição realizaram casamentos de conveniência em uma tentativa de impedir o RN – sob o seu nome anterior, Frente Nacional – de entrar no governo. Agora, dentro de algumas semanas, Bardella poderá se tornar o primeiro-ministro de França – e o mais jovem da Europa em mais de dois séculos.

À esquerda, um grupo de partidos anteriormente turbulento se uniu recentemente para formar a Nova Frente Popular – uma coligação destinada a ressuscitar a Frente Popular original que impediu os fascistas de ganharem o poder em 1936. A ampla aliança inclui figuras mais radicais como Jean-Luc Mélenchon, três vezes candidato presidencial e líder do partido França Insubmissa, bem como líderes moderados como Raphael Glucksmann, da Place Publique.

Entretanto, o primeiro-ministro francês, Gabriel Attal, – que só foi nomeado para o seu cargo por Macron em janeiro – representa a aliança centrista Ensemble de Macron. Attal teria sido um dos últimos membros do círculo íntimo de Macron a saber que uma eleição antecipada era iminente.

A votação será encerrada às 20h (15h de Brasília). As primeiras bocas de urna começam a ser divulgadas assim que as urnas fecham.

Já os resultados completos são esperados na segunda-feira (1º).

 



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

About

Appetite no humoured returned informed. Possession so comparison inquietude he he conviction no decisively.

Recent Post

  • All Post
  • Arte e Lazer
  • Cultura
  • Destaque
  • Educação
  • Esportes
  • Futebol
  • Novidades
  • Sem categoria
  • Social Media
  • Sports
  • Videos

© 2024 Criado em 2004