Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Empresárias da indústria discutem alternativas para ampliar a participação das mulheres no setor | ASN Nacional


A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reuniu nesta quarta-feira (19) empreendedoras para discutir estratégias de promoção à diversidade e à participação da liderança feminina no setor empresarial. Promovido pelo Fórum Industrial da Mulher Empresária, o debate teve a participação da diretora de Administração e Finanças do Sebrae Nacional, Margarete Coelho, que salientou o compromisso da instituição em mudar esse cenário, que é predominantemente masculino.

A vida da mulher na indústria, no comércio, sempre foi muito difícil, mas principalmente na indústria, que é vista como uma atividade eminentemente masculina. Mudar essa realidade é um desafio deste Fórum e nós do Sebrae estaremos juntos com esses segmentos que estão relacionados com o empreendedorismo feminino, no sentido de superar gaps que são históricos.

Margarete Coelho, diretora de Administração e Finanças do Sebrae Nacional

Para Margarete Coelho, a pauta do empreendedorismo feminino está “potente e pronta para o debate” e para contribuir com essas discussões, o Sebrae tem diagnósticos que apontam para duas grandes dificuldades enfrentadas pelas empreendedoras: gestão de tempo e financiamento. Ela pontuou que a economia do cuidado toma 17 horas semanais a mais das mulheres e que, por óbvio, elas possuem menos tempo do que os homens para investir em seus negócios.

Segundo ela, outra questão desafiadora para o empreendedorismo feminino é a recusa das instituições financeiras em atender demandas de CNPJ feminino que pleiteia crédito. “74% das mulheres que buscam o mercado financeiro têm seus pedidos negados”, diz. Para a diretora do Sebrae, autonomia econômica e financeira faz com que as mulheres fiquem mais fortes e capazes de resistir a todas as violências que sofrem.

“Temos que ter o envolvimento das instituições para que nós possamos superar as barreiras. O Fórum é um grande ponto de fala, um espaço de debate, de troca de experiências para que nós possamos encontrar soluções possíveis e imediatas para esses problemas”, destaca.

Segundo a presidente do Fórum, Mônica Monteiro, diretora do Grupo Bandeirantes, sua gestão está focada em cumprir duas metas: a ampliação de mulheres na indústria e a promoção de eventos para divulgar produtos vindos de CNPJs femininos. Ela afirma que 40% do consumo no Brasil é feito por mulheres. “Se a gente tem poder de consumo, a gente consegue levantar essa bandeira”, constata. Ela argumenta que “as mulheres precisam estar na planta da indústria”, ocupando cargos nas áreas da ciência, tecnologia e matemática.

Foto: Larissa Carvalho

Durante o evento, o Fórum apresentou cinco diretrizes para subsidiar a elaboração de políticas públicas:

  1. Incentivar a inserção de mulheres em carreiras conectadas ao novo mundo do trabalho.
  2. Fomentar o compromisso das empresas com diversidade e promoção da equidade de gênero.
  3. Estimular o empreendedorismo e o crescimento das empresas comandadas por mulheres.
  4. Fomentar a participação feminina no comércio internacional.
  5. Criar oportunidades para a capacitação de lideranças femininas.

Presente no debate, a deputada Benedita da Silva reforçou que o empreendedorismo feminino é uma estratégia de inclusão social e que apoiar essa pauta é contribuir para que as mulheres tenham independência financeira. No entanto, ela defende que, para isso, mais do que abrir espaço, é preciso recursos.

Fazer um apelo para o Fórum, junto à presidência da CNI, que coloquem recursos no orçamento para que mulheres empresárias possam também dar oportunidade a outras mulheres para terem crescimento nesse mercado, que é majoritariamente masculino.

Benedita da Silva, deputada

Foto: Larissa Carvalho

Ela também ressalta que a participação das mulheres em cargos de liderança e nas tomadas de decisão é fundamental para uma sociedade mais justa e equitativa.

Entre as participantes, também estiveram presentes as deputadas Soraya Santos, que destacou que países com menos desigualdade têm mais mulheres ocupando espaços de poder, e Yandra Moura, que mencionou a importância do Sebrae Delas no fortalecimento do empreendedorismo feminino.

Antonio Ricardo Alvarez Alban, presidente da CNI, abriu o debate afirmando que acredita que, num médio prazo, as mulheres vão estar ocupando mais espaço em ambientes de liderança. Ele ressaltou a importância do movimento e das conquistas obtidas pelas mulheres no direito de ocupar posições de destaque. “Nós só queremos caminhar juntos.”



Source link

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

© 2024 Criado em 2004