Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Entenda por que Biden decidiu tornar público seu ultimato a Israel sobre Rafah


A decisão do presidente Joe Biden essa semana de tornar público o seu ultimato de que uma grande ofensiva israelense na cidade de Rafah resultaria no corte de envio de certos tipos de armas dos EUA não foi fácil nem leviana.

A decisão surgiu após séries de telefonemas com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, a partir de meados de fevereiro, instando-o a reconsiderar os seus planos de invadir a cidade densamente povoada no sul de Gaza, que tem sido um canal crítico para a ajuda humanitária.

Horas e horas de reuniões virtuais e presenciais entre os principais tenentes da segurança nacional de Biden e seus homólogos israelenses tinham como objetivo enviar a mesma mensagem, de acordo com as autoridades: há outras maneiras de perseguir o Hamas, expuseram os assessores de Biden, que não são a invasão uma cidade para onde mais de um milhão de palestinos foram em busca de segurança, disseram autoridades.

Em vários níveis, o presidente e a sua equipe alertaram Netanyahu que uma grande invasão de Rafah não seria auxiliada por armas americanas.

Foi uma mensagem que a Casa Branca acreditava ter sido bem compreendida pelo governo de Israel, disseram funcionários da Casa Branca na quinta-feira (9).

Ainda assim, tornar públicos esses avisos foi um passo que Biden há muito temia tomar. Fazer isso representaria um ponto de virada e a maior ruptura nos laços EUA-Israel desde o início da guerra em Gaza, após os ataques terroristas de 7 de outubro perpetrados pelo Hamas.

Mesmo sob pressão dos progressistas do seu próprio partido para tomar medidas para limitar o sofrimento humanitário em Gaza, Biden tem tido o cuidado de evitar uma rixa pública com Netanyahu.

Ainda assim, nas reuniões do gabinete de guerra de Netanyahu, a decisão de ir para Rafah parecia iminente.

As Forças de Defesa de Israel (FDI) estabeleceram agora uma presença em Rafah e ao longo da sua fronteira, bloqueando dois pontos de entrada de ajuda e alertando para uma ofensiva maior que está por vir.

No final das contas, disseram as autoridades, Biden passou a acreditar que seus avisos estavam sendo ignorados e então mudou de rumo.

Na semana passada, Biden assinou uma pausa no envio de 3.500 bombas para Israel, que funcionários do governo temiam que fossem lançadas sobre Rafah.

E na quarta-feira (8), em uma entrevista à CNN na faculdade comunitária em Wisconsin, Biden tornou explícito ao mundo o que disse já ter deixado óbvio a Netanyahu em privado.

Benjamin Netanyahu durante ligação com Joe Biden / Divulgação/Gabinete do Primeiro Ministro de Israel

“Se eles forem para Rafah, não fornecerei as armas que têm sido usadas historicamente para lidar com Rafah, para lidar com as cidades – que lidam com esse problema”, disse Biden.

Casa Branca diz que ultimato não foi uma surpresa

Os assessores do presidente disseram que a mensagem não deveria ter sido uma surpresa para os destinatários pretendidos em Israel.

“Posso assegurar-lhe que a natureza direta e franca com que ele se expressou e as suas preocupações naquela entrevista com a CNN são consistentes com a forma como ele se expressou ao primeiro-ministro Netanyahu e às autoridades israelenses”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, na quinta-feira.

O governo israelense, disse Kirby, “compreendeu… já há algum tempo” as implicações que uma grande ofensiva em Rafah teria no futuro dos carregamentos de armas norte-americanos. Conscientes ou não das opiniões do presidente, as autoridades israelenses reagiram com choque ao anúncio público. Netanyahu foi desafiador.

“Se precisarmos ficar sozinhos, ficaremos sozinhos. Eu disse que, se necessário, lutaremos com as unhas”, disse ele na quinta-feira. As autoridades israelenses também procuraram minimizar a importância do anúncio de Biden. Um porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), Daniel Hagari, disse que Israel já possui as armas necessárias para as missões que está planejando.

Além das bombas de 907 quilos, Biden disse à CNN que a artilharia poderia ser retida no caso de uma invasão de Rafah.

Apesar de ser menor em tamanho do que as bombas, a administração Biden vê a artilharia como armas indiscriminadas e imprecisas que podem causar danos perigosos nas áreas urbanas.

Palestinos em caminhão em fuga de Rafah após forças israelenses lançarem operação terrestre e aérea, no sul da Faixa de Gaza / 08/05/2024 REUTERS/Hatem Khaled

Dúvidas sobre as intenções de Israel em Rafah

Israel afirmou que a sua atual campanha em Rafah é “limitada”, uma descrição que as autoridades norte-americanas repetiram.

Mas nos bastidores, persistem dúvidas sobre as intenções de Israel, apurou a CNN, com clareza limitada fornecida aos EUA sobre como as FDI planejam proceder.

Ao longo do conflito, a frustração de Biden com Netanyahu cresceu, mesmo quando o presidente dos EUA sustentou publicamente que o seu apoio ao Estado de Israel era inabalável.

Biden deixou claro que, independentemente do rumo que a guerra Israel-Hamas tome, os EUA continuarão a ser o aliado mais leal de Israel enquanto ele for presidente.

Essa convicção, disseram os conselheiros, era separada e à parte da evolução do relacionamento do presidente com Netanyahu.

“Israel não é a mesma coisa que Netanyahu”, disse um conselheiro sênior de Biden à CNN.

Rafah dificilmente foi o único atrito no relacionamento.

Segundo relatos dos conselheiros mais próximos de Biden, o assassinato acidental, pelas FDI, no início de abril, de sete trabalhadores humanitários da World Central Kitchen (Cozinha Central Mundial) em Gaza – um deles um cidadão americano – quebrou a já tensa paciência do presidente.

Ao saber da notícia, Biden expressou fúria, disseram assessores. Ele deixou claro aos conselheiros que via as mortes dos trabalhadores humanitários como um “colapso” inaceitável em algumas das formas mais fundamentais como esperava que Israel conduzisse a sua guerra, e que o momento exigia uma nova resposta.

Sua equipe rapidamente conseguiu um telefonema com Netanyahu.

Imagens: Tendas em Rafah são desfeitas após ameaça de Israel

O momento de clareza

Várias semanas antes, Biden tinha compartilhado com amigos no Capitólio – em comentários que foram captados por um microfone ligado – que ele e o primeiro-ministro provavelmente estavam caminhando para algum tipo de ruptura.

Ele previu que os dois líderes teriam um momento de clareza.

Vários conselheiros não negaram que o telefonema de Biden com Netanyahu em abril foi, no mínimo, tão próximo de um momento de clareza da ruptura como os dois líderes tinham tido até então.

Na breve chamada, Biden emitiu um novo aviso a Netanyahu: se Israel não corrigisse o rumo, os EUA reconsiderariam a forma como apoiam o seu aliado no conflito.

Foi o sinal mais claro de que, seis meses após o início da guerra, Biden estava começando a considerar seriamente condicionar o apoio dos EUA a Israel.

Mas mesmo então, não se sabia exatamente como seriam essas consequências e que ações de Israel acabariam levando Biden ao limite.

Desde o seu apelo, a Casa Branca elogiou Israel por tomar medidas para aumentar a ajuda humanitária, incluindo a abertura de passagens adicionais.

No entanto, Rafah continuou a obscurecer a relação, enquanto as autoridades israelenses insistiam na necessidade de perseguir o Hamas na cidade, embora os assessores de Biden afirmassem não ter visto um plano para proteger os civis ali.

As reuniões entre os dois lados não conseguiram gerar consenso sobre o assunto, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Os funcionários da Casa Branca não estavam convencidos dos planos de Israel para proteger os civis e deixaram claro em declarações públicas que uma invasão da cidade representaria um desastre humanitário.

“O presidente e a sua equipe têm deixado claro há várias semanas que não apoiamos uma grande operação terrestre em Rafah, onde mais de um milhão de pessoas estão abrigadas sem nenhum lugar seguro para ir”, disse Kirby na quinta-feira.

“O presidente disse isso publicamente e comunicou isso repetida e diretamente ao primeiro-ministro Netanyahu”.

O presidente dos EUA Joe Biden participa de reunião com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em Tel Aviv, Israel / 18/10/2023 REUTERS/Evelyn Hockstein

Críticas bipartidárias seguem o ultimato público de Biden

Após a entrevista de Biden à CNN, as autoridades sublinharam que a posição da Casa Branca sobre o condicionamento da ajuda é hipotética: os EUA só reduziriam o equipamento e o armamento fornecidos ao seu aliado de longa data se este lançassem a invasão a Rafah.

Isso não impediu os críticos do presidente de o acusarem de renunciar a Israel, apesar da sua declaração clara de que não estava “se afastando da segurança de Israel”.

Em todo o espectro do Partido Republicano, desde o ex-presidente Donald Trump até ao senador Mitt Romney, do Utah, os opositores políticos de Biden compararam o anúncio a uma mensagem de abandono no meio de uma guerra em curso contra terroristas.

O presidente da Câmara, Mike Johnson, que acabara de sobreviver a uma tentativa de destituição, até sugeriu em uma entrevista ao jornal Politico que Biden teve um “momento de velhice” quando fez o comentário.

Alguns democratas também expressaram críticas. O senador da Pensilvânia, John Fetterman, um firme defensor de Israel, disse que discordava do plano de Biden de reter alguns carregamentos de armas para Israel, alertando que a medida “demonstra ao Hamas que eles estão vencendo a guerra de relações públicas”.

“Estou preocupado com isso e não concordo com o presidente”, disse ele à CNN.

Presidente dos EUA Joe Biden / 6/5/2024 REUTERS/Amanda Andrade-Rhoades

O senador Jon Tester, um democrata vulnerável de Montana, disse: “Acho que ele deveria divulgar isso” quando questionado sobre a forma como Biden lidou com os carregamentos de armas.

E o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Ben Cardin, disse que planejava falar com funcionários do governo sobre os detalhes do plano ainda na quinta-feira.

“Estou tentando descobrir legalmente o que eles estão fazendo e as razões para isso”, disse ele. “Portanto, até que eu tenha a oportunidade de falar com a administração, vou adiar qualquer comentário específico”.

Embora a posição do presidente tenha constituído a sua posição pública mais dura em relação a Israel desde o início da guerra, também pareceu fazer pouco para satisfazer aqueles do seu próprio partido que têm agitado pelo fim do apoio dos EUA.

“Acho que é um bom passo em frente. Acho que temos que fazer ainda mais”, disse o senador Bernie Sanders, o socialista democrata de Vermont, à CNN, acrescentando que o alerta de Biden sobre o condicionamento de armas “deveria ter surgido muito antes”.



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

© 2024 Criado em 2004