Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Flávia Saraiva busca sua primeira medalha olímpica – 16/06/2024 – Esporte


Rebeca Andrade não é o único motivo para otimismo da ginástica artística brasileira nos Jogos Olímpicos de Paris. Flávia Saraiva vive o melhor momento de sua carreira e acredita na possibilidade de subir ao pódio na capital francesa.

Recuperada de problemas físicos que a atrapalharam em temporadas anteriores, a carioca de 24 anos vem de um grande 2023, com excelentes resultados no Mundial. Ela contribuiu para que o Brasil ficasse com a prata na disputa feminina por equipes e obteve o bronze no solo.

“Não tem segredo. Para fazer uma boa competição, é um bom treinamento. E, com certeza, a gente está treinando muito, agora pensando em Paris-2024. A ansiedade é grande para poder representar o país da melhor forma”, disse a atleta à Folha.

Flavinha, como é chamada pelas colegas, está em busca de sua primeira medalha olímpica. Ela passou por duas cirurgias no tornozelo direito, a última delas no fim de 2022, e levou algum tempo até ficar novamente à vontade com seu corpo.

“A Flavinha está na melhor forma da vida dela. É impressionante”, observou a ex-jogadora de vôlei de praia Adriana Samuel, medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, e de bronze na edição de Sydney, em 2000 –e gerente do Time Petrobras, que tem Saraiva entre seus principais nomes.

É ampla a lista de patrocinados da empresa de energia, com favoritos como Isaquias Queiroz, da canoagem, e Ana Patrícia e Duda, do vôlei de praia. Mas a equipe realmente bota fé em Flávia, que promete brigar por medalha na trave, no solo e na disputa feminina por equipes.

Ela, ao lado de Rebeca, trabalha para ampliar a lista de pódios do Brasil na ginástica artística. O país tem duas medalhas de ouro olímpicas (Arthur Zanetti, nas argolas, em Londres, em 2012, e Rebeca Andrade, no salto, em Tóquio, em 2021), três de prata (Arthur Zanetti, nas argolas, e Diego Hypólito, no solo, no Rio de Janeiro, em 2016, e Rebeca Andrade, no individual geral, em Tóquio, em 2021) e uma de bronze (Arthur Nory, no Rio de Janeiro, em 2016).

“A ginástica vem de um ano muito bom, mas a gente sabe que vem de muito antes, começando com a Dani, com a primeira medalha mundial”, afirmou Flávia, referindo-se à prata de Daniele Hypólito no solo, no Mundial de 2001, antes de mencionar o ouro de Daiane dos Santos no Mundial de 2003, também no solo: “Depois teve a Dai, primeira ginasta do Brasil a ser campeã mundial”.

Saraiva, então, fez questão de listar as conquistas de Zanetti, Hypólito, Andrade e Nory. Celebrou em seguida a conquista brasileira na disputa feminina por equipes do último Mundial. Só aí falou brevemente, timidamente, sobre o próprio desempenho em 2023, que teve ainda um recorde brasileiro: cinco medalhas nos Jogos Pan-Americanos, em Santiago, quatro de prata e uma de bronze.

“A gente fica muito feliz com todos esses resultados. Sabemos que isso é fruto de muito trabalho. A ginástica feminina poderia ter tido a medalha por equipe muito tempo atrás, finalmente conseguimos. Então, a gente fica muito feliz por esse resultado, e eu fico muito feliz também de ter podido ajudar na competição como eu podia”, disse.

Ela pôde ajudar porque o tornozelo direito estava firme. Não era o caso nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021, o que limitou bastante sua atuação na final na trave –seu desempenho lhe rendeu a sétima colocação.

Agora, a situação é outra. O tornozelo dói. Outras partes doem constantemente, “é assim mesmo”, diz a ginasta. Porém ela assegura estar na melhor forma possível para brigar à vera por medalha nos Jogos Olímpicos de Paris.

“A gente teve os problemas das lesões nos dois últimos anos e superou. Mas quem é atleta sabe que a gente sempre tem uma dorzinha aqui, uma dorzinha ali. Mas é treinando e tratando, treinando e tratando, treinando e tratando. Não tem segredo.”

O repórter viajou a convite da Petrobras



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

About

Appetite no humoured returned informed. Possession so comparison inquietude he he conviction no decisively.

Recent Post

  • All Post
  • Arte e Lazer
  • Cultura
  • Destaque
  • Educação
  • Esportes
  • Futebol
  • Novidades
  • Sem categoria
  • Social Media
  • Sports
  • Videos

© 2024 Criado em 2004