Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Maracanã ganha gestor após oscilar por dez anos entre abandono e excesso de jogos – 22/06/2024 – Esporte


Foram necessários dez anos para que o Maracanã, palco da final da Copa do Mundo de 2014, encontrasse um modelo de gestão de longo prazo. A dupla Fla-Flu foi declarada no início do mês a vencedora da licitação para a administração do estádio.

A aparente definição sobre a gestão da arena ocorre após um ciclo que se iniciou com marcas de abandono e se encerra com o excesso de jogos. Para o futuro, porém, paira a ameaça de possível novo esvaziamento com a construção e a reforma de estádios no Rio de Janeiro.

A final entre Alemanha e Argentina incluiu o Maracanã na seleta lista de estádios que sediaram duas decisões de Copa (1950 e 2014) —composta também pelo estádio Azteca, no México (1970 e 1986).

A reforma do Maracanã, que recebeu sete jogos do Mundial de 2014, consumiu R$ 2,11 bilhão (em valores atuais, corrigidos pela inflação), cerca de 50% a mais do planejado. A obra também ficou marcada como uma das fontes de corrupção do suposto esquema de propina do ex-governador Sérgio Cabral —ele nega.

Antes da Copa, o Governo do Rio de Janeiro havia escolhido um consórcio, formado por Odebrecht, AEG e IMX, para gerir o estádio.

Mudanças no projeto, a crise provocada pela Operação Lava Jato e questionamentos à licitação tornaram a concessão uma peça de ficção e objeto de constantes conflitos. Um deles, após os Jogos Olímpicos de 2016, fez com que o estádio fosse abandonado, deixando a grama amarelada. O complexo esportivo foi alvo de furtos que atingiram até o busto do jornalista Mario Filho, que dá nome oficial ao estádio.

A novela com a Odebrecht se encerrou em 2019, com o rompimento do contrato na gestão do governador Wilson Witzel. Foi quando Flamengo e Fluminense assumiram provisoriamente a gestão do estádio. O contrato precário foi renovado sucessivamente por cinco anos até o fim da licitação neste mês.

A gestão da dupla Fla-Flu ficou marcada pelo excesso de jogos e pela disputa com o Vasco por datas das partidas.

Em 2021 e também em 2023, o estádio recebeu mais de 70 partidas, tornando a conservação do gramado o principal desafio da gestão. Entre as arenas que recebem jogos da Série A, foi, de longe, a que mais recebeu jogos.

A administração do estádio, apontando justamente o excesso de jogos, tentou inviabilizar o uso por parte do Vasco. O clube cruzmaltino, porém, conseguiu na Justiça permissão para utilizar o Maracanã em diferentes oportunidades.

A assinatura do contrato do concessão por 20 anos não torna a relação menos conflituosa, já que o documento impede veto para que outros clubes da cidade realizem suas partidas no local. Além disso, o próprio governo incluiu como meta desejável a realização de 70 partidas no Maracanã.

O cenário, porém, pode mudar de figura com os planos de médio e longo prazo de Flamengo e Vasco.

A agremiação cruzmaltina pretende reformar São Januário e obteve nesta semana a aprovação na Câmara Municipal.

A nova arena tem previsão de capacidade para 47 mil pessoas, com início das obras no fim do ano. Durante a reforma, é provável que mais conflitos pelo uso do Maracanã ocorram. Depois, o Vasco deve reduzir a demanda de uso pelo palco da final de 2014.

Já o Flamengo negocia a construção de um estádio no centro da cidade, com apoio da prefeitura. O clube trabalha com um projeto prevendo entre 70 mil e 80 mil lugares, capacidade levemente superior à do Maracanã.

Há temor dentro do governo fluminense de que a nova casa rubro-negra gere o esvaziamento do campo mais antigo.

“Temos um ponto positivo e outro negativo. Eu acho que o Rio de Janeiro precisa de pelo menos mais um estádio de médio a grande porte. Quando você faz um estudo, entendemos que o Maracanã é o estádio que tem mais jogos no mundo. Então, está claro que o Rio precisa de mais um equipamento esportivo”, afirmou o governador Cláudio Castro (PL).

“Contudo, temos que ter cuidado para que o Maracanã não vire um novo Mineirão ou Pacaembu, que se tornaram verdadeiros elefantes brancos. Então, precisamos ter um modelo de negócio que nos atenda e não prejudique o Maracanã, que é tão importante para o Rio de Janeiro.”



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

About

Appetite no humoured returned informed. Possession so comparison inquietude he he conviction no decisively.

Recent Post

© 2024 Criado em 2004