Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

O que é leucemia linfocítica crônica? Conheça sintomas e tratamento


A atriz Susana Vieira, 81 anos, revelou, durante entrevista ao Fantástico no domingo (19), que foi diagnosticada com leucemia linfocítica crônica. Durante a conversa, a artista refletiu sobre os desafios pessoas que vêm enfrentando e revelou que está em remissão.

A leucemia linfocítica crônica, conhecida pela sua sigla LLC, é um tipo de leucemia — ou seja, câncer que atinge as células sanguíneas da medula óssea — em que os linfócitos (glóbulos brancos) se tornam cancerosos e, de forma lenta e progressiva, substituem as células saudáveis nos linfonodos, fígado e baço.

De acordo com a Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), a doença acontece por conta de um erro genético, em que os linfócitos passam a se desenvolver de forma descontrolada e param de realizar suas funções. Apesar dessa característica, a LLC não é uma doença hereditária e suas causas ainda são desconhecidas.

A doença é mais frequente em países ocidentais, principalmente a América do Norte e Europa, sendo mais comum em pessoas acima dos 60 anos de idade e extremamente rara em crianças. A LLC não tem cura.

Possíveis causas e fatores de risco

Ainda segundo a Abrale, as causas exatas para o desenvolvimento da leucemia linfocítica crônica ainda são desconhecidas e poucos fatores têm sido associados a um aumento no risco de desenvolvimento da doença.

No entanto, cientistas acreditam que possam existir possíveis relações com o estilo de vida ou com fatores ambientais, mas ainda não há conclusões científicas sólidas sobre o assunto.

Sintomas de leucemia linfocítica crônica

De acordo com o Manual MSD, nas suas fases iniciais, a leucemia linfocítica crônica não apresenta sintomas e a doença é detectada apenas devido a uma elevada contagem de glóbulos brancos.

Com o passar do avanço da doença, podem surgir sintomas como:

  • Linfonodos aumentados;
  • Fadiga;
  • Perda de apetite;
  • Perda de peso sem causa aparente;
  • Aumento de gânglios (caroços na região do pescoço, virilha e axila);
  • Suores noturnos;
  • Febre não relacionada à infecção;
  • Falta de ar durante a prática de exercícios físicos;
  • Sensação de plenitude abdominal devido ao aumento do baço.

Como é feito o diagnóstico?

Por não apresentar sintomas iniciais, muitas vezes, a LLC pode ser diagnosticada por exames de sangue de rotina, como um hemograma. Nele, será possível notar alterações na contagem das células sanguíneas, como o aumento no número de glóbulos brancos. Esse exame também pode ser solicitado por um médico para investigar as causas dos sintomas quando eles estão presentes.

A detecção também pode ser feita através do mielograma, um exame que avalia a porcentagem de linfócitos na medula óssea, através da coleta de uma pequena quantidade de sangue na região. Se ainda houver dúvida no diagnóstico, o médico poderá solicitar a biópsia de medula óssea e um exame imuno histoquímico.

Há, ainda, a possibilidade de realizar exames específicos, como a imunofenotipagem de sangue periférico (cariótipo), essencial para o diagnóstico da leucemia linfocítica crônica. Nele, é possível analisar, junto com o mielograma, as células de maneira específica, auxiliando na escolha do tratamento.

Outra possibilidade é o FISH (hibridização por fluorescência in situ), em que uma maostra da medula óssea ou do sangue periférico (se tiver mais de 20% de células doentes no sangue) para detectar alterações que o exame de cariótipo não observou.

Por fim, pode ser solicitada a biópsia de gânglio, que detecta alterações em gânglios linfáticos que podem estar associados à LLC.

Tratamento da LLC

Como a LLC pode progredir de forma lenta, em alguns casos não é necessário o tratamento até que ocorra um ou mais dos seguintes critérios:

  • Surgimento dos sintomas relacionados à doença;
  • Anemia (número baixo de glóbulos vermelhos) e plaquetopenia (número baixo de plaquetas);
  • Doença rapidamente progressiva (como aumento rápido nos linfonodos, baço ou fígado).

Nesses casos, o tratamento pode incluir quimioterapia e imunoterapia, que ajudam a aliviar os sintomas e a diminuir o aumento nos linfonodos e no baço. No entanto, esses tratamentos não curam a doença.

Nos pacientes que apresentarem anemia, podem ser realizadas transfusão de sangue, junto com injeções de eritropoietina ou darbepoetina, medicamentos que estimulam a formação de glóbulos vermelhos.

A depender do paciente, quando as primeiras opções de tratamento não apresentam bons resultados, pode ser indicado o transplante de medula óssea para restaurar a habilidade do organismo em produzir células sanguíneas saudáveis.



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

© 2024 Criado em 2004