Bem vindo ao CanalNoite A Sua Noite Passa por Aqui + de 20 anos no ar

Want to Partnership with me? Book A Call

Popular Posts

Dream Life in Paris

Questions explained agreeable preferred strangers too him her son. Set put shyness offices his females him distant.

Hot

Categories

Edit Template

Sedentarismo já atinge 31% da população mundial, diz OMS – 04/07/2024 – É Logo Ali


Embora, desde o final da pandemia, o mercado insista em dizer que houve um crescimento da demanda por atividades físicas, principalmente ao ar livre, pesquisa publicada na revista The Lancet e divulgada no último dia 26 pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que financiou o levantamento, traz um número preocupante: em 2022, nada menos que 31% dos adultos, ou 1,8 bilhão de pessoas, não praticaram os níveis mínimos recomendados de atividade física, ou seja, 150 minutos de exercício moderado por semana.

Esse crescimento segue totalmente na contramão das metas do Plano de Ação Global da OMS sobre Atividade Física, que pretendia chegar a 2030 com uma redução dos níveis de sedentarismo de 15% em relação à taxa de 2010, quando 26% da população era inativa.

A pesquisa detectou ainda uma crescente disparidade na participação baseada em idade e gênero: as mulheres foram 5 pontos percentuais menos ativas que os homens, com 33,8% contra 28,7%, respectivamente. E após os 60 anos os níveis de inatividade crescem de forma acelerada, chegando a uma média entre 40% e 45% entre as pessoas acima dessa idade e a 75% dos maiores de 80 anos na média dos países da América Latina.

O impacto desses números se reflete nos sistemas de saúde, uma vez que a OMS estima que o custo econômico para tratar de problemas ligados à falta de atividade física consistente deve exceder os US$ 330 bilhões até 2030. No câmbio atual, algo próximo dos R$ 2 trilhões.

Segundo a consultora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e da OMS Luisete Bandeira, o Brasil tem feito “esforços significativos para promover a atividade física por meio de políticas, programas e iniciativas destinadas a melhorar a saúde da população, como o incentivo ao deslocamento ativo, caminhadas e ciclismo, que são fundamentais para aumentar os níveis de atividade física”.

Sobre as causas desse sedentarismo crescente, Bandeira lembra que “o acesso a ambientes promotores de saúde, que permitem o deslocamento ativo seguro à escola, ao trabalho e a outras atividades cotidianas é um dos desafios para a prática de atividade física”. Ela estima que “até 5 milhões de mortes por ano poderiam ser evitadas se a população global fosse mais ativa“, mas pondera que “muitos vivem em áreas com pouco ou nenhum acesso a espaços seguros para a prática de atividades físicas”.

Na contramão da lógica, ou quase

Curiosamente, se a população está cada vez mais sedentária nas contas da OMS, o consumo de produtos esportivos só tem registrado crescimento. Segundo Renato Jardim, diretor executivo da Apice (Associação pela Indústria e Comércio Esportivo), que representa as maiores marcas do cenário global do esporte, o consumo de produtos destinados à atividade física no Brasil “teve um aumento no ano passado de pouco mais de 5% em volume e faturamento”.

O que Jardim chama de “aparente contradição” se deve, explica ele, ao fato de as pessoas estarem adquirindo produtos originalmente voltados para a prática de atividade física “pelo conforto e a versatilidade, que permitem seu uso em diversas situações”.

Mas se as pessoas estão comprando aquele tênis de última geração e perfeito desempenho só para dar uma voltinha no shopping, as maiores empresas de artigos esportivos se uniram à Federação Mundial da Indústria de Artigos Esportivos (WFSGI na sigla em inglês) para tentar reverter essa situação e dar uma forcinha à saúde dos humaninhos preguiçosos promovendo programas de incentivo à atividade física em todos os países em que atuam.

Segundo Emma Zwiebler, CEO da WFSGI, os dados da OMS “são preocupantes do ponto de vista da saúde pública, mas também do da indústria”. Em nota, ela ressalta que “este momento é uma grande oportunidade para aproveitar o poder coletivo das indústrias de artigos esportivos, saúde e fitness como provedores de soluções-chave para um planeta mais saudável e ativo para todos (…) e impulsionar a cooperação multissetorial para entregar mudanças significativas para a saúde global e os negócios”.

Já Barbara Martin Coppola, CEO da Decathlon, maior varejista multiesportes do mundo, que também se uniu aos esforços da WFSGI, aponta que “a inatividade física é um grande problema para as comunidades em todo o mundo”. Também em nota, ela diz que a empresa é grande defensora “da incorporação do movimento na rotina diária das pessoas, para o benefício da saúde individual e da sociedade como um todo”.



Fonte da Notícia

Share Article:

Considered an invitation do introduced sufficient understood instrument it. Of decisively friendship in as collecting at. No affixed be husband ye females brother garrets proceed. Least child who seven happy yet balls young. Discovery sweetness principle discourse shameless bed one excellent. Sentiments of surrounded friendship dispatched connection is he. Me or produce besides hastily up as pleased. 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edit Template

About

Appetite no humoured returned informed. Possession so comparison inquietude he he conviction no decisively.

Recent Post

  • All Post
  • Arte e Lazer
  • Cultura
  • Destaque
  • Educação
  • Esportes
  • Futebol
  • Novidades
  • Sem categoria
  • Social Media
  • Sports
  • Videos

© 2024 Criado em 2004